7 Motivos para votar no Prof. Irineu

em

As eleições estão chegando! Nesta quarta-feira, dia 11 de abril, teremos a oportunidade de eleger um novo reitor para a UFSC. Por isso, resolvermos elencar sete motivos para te ajudar a decidir e votar no professor Irineu para reitor. São eles:

MOTIVO 1: terá como o Ensino, a Pesquisa e a Extensão Universitária.

Uma UFSC Necessária se constrói com foco em suas atividades fundamentais. Intensificar o trabalho para sanar problemas como a evasão, a falta de representatividade da Educação Básica no CUn, a burocratização dos comitês de ética em pesquisa, dificuldades com o repasse de bolsas, a falta de reconhecimento de EJs, Atléticas e Centros Acadêmicos como atividades de extensão, entre outros, será tarefa fundamental para os próximos anos da UFSC.

MOTIVO 2: irá valorizar todos os Campi da UFSC.

A ampliação da UFSC para outras localidades do Estado trouxe muitos benefícios, tanto para as comunidades locais quanto para a sociedade como um todo. Entretanto, sabemos que é necessário muito mais. Uma UFSC Necessária trabalha por uma nova institucionalização dos campi, reforçando sua autonomia financeira, acadêmica e administrativa; pela ampliação os serviços de assistência estudantil e acadêmica; pela readequação da estrutura da Universidade à nova realidade multicampi; pela implantação de programas de pós-graduação nos campi e muito mais.

MOTIVO 3: irá apoiar a docência na UFSC.

Possibilitar condições amplas para o trabalho de lecionar é fundamental para uma carreira docente plena. Por isso, uma UFSC Necessária se faz com um Programa Institucional de Apoio à Docência, que vise investir em melhoramento didático-pedagógico em todos os cursos; que se preocupe com ações de promoção da qualidade de vida no trabalho docente; uma gestão que trabalhe pela instituição de programas de capacitação continuada e atualização tecnológica; que faça ações para qualificação dos docentes através de cursos sobre novas abordagens pedagógicas de ensino-aprendizagem e uso de ferramentas digitais; e muito mais.

MOTIVO 4: irá valorizar verdadeiramente os TAEs da UFSC. 

As atividades desempenhadas pelos servidores técnico-administrativos são de fundamental importância para que a Universidade desempenhe suas funções plenamente. Para que isto aconteça, a gestão deve reconhecer efetivamente esta categoria. Implantar a jornada de 30 horas aos TAEs em todos os setores, permitindo assim a ampliação dos horários de atendimento da Universidade é um compromisso histórico do professor Irineu e será pauta prioritária quando for eleito. Além disso, é preciso promover a qualidade de vida no trabalho dos TAEs; instituir política de dimensionamento e movimentação a partir de critérios públicos e impessoais; regulamentar a participação dos TAEs em projetos de pesquisa, extensão e cultura, podendo inclusive concorrer a bolsas e com atribuição de carga horária, entre outros, são ações imprescindíveis para criarmos a UFSC Necessária.

MOTIVO 5: irá dar atenção especial aos estudantes da UFSC.

Os estudantes são parte essencial da Universidade, dando a ela o sentido de sua existência. Entretanto, esses mesmos estudantes necessitam de total apoio e atenção, por parte da administração central, para que possam desempenhar suas atividades de forma digna e integral. Essa semana, vimos estudantes paralisarem seu curso por conta do cancelamento das verbas pra saídas de campo, e hoje, residentes da moradia estudantil convocaram uma audiência pública para cobrar da atual administração que tome providencias urgentes, há tempos solicitadas, na resolução dos problemas encontrados nas dependências da moradia. Uma reitoria compromissada com os estudantes, é uma reitoria que prioriza tudo aquilo que diz respeito à permanência estudantil. Por isso, a UFSC Necessária vai trabalhar para manter e ampliar a moradia estudantil de Florianópolis, bem como implantá-la nos demais campi; ampliar a capacidade do RU, com 3 refeições diárias, em todos os campi, com opção vegetariana/vegana, priorizando os alimentos da agricultura familiar; apoiar institucionalmente mães e pais estudantes; democratizar as políticas de Ações Afirmativas, com efetiva participação dos movimentos sociais; criar e implantar uma política para realização de festas estudantis nos campi de forma segura; fomentar a realização dos congressos estudantis; retirar o FI como critério de exclusão na concessão de bolsas e intercâmbios; e ampliar a política de permanência incluindo a pós-graduação

MOTIVO 6: irá fortalecer nosso Hospital Universitário.

O Hospital Universitário (HU) é historicamente referência na prestação de serviços da saúde voltados à toda a comunidade catarinense. Entretanto, vem enfrentando sérios problemas estruturais, não sanados pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH). A UFSC Necessária se faz retomando a importância e autonomia desse que é o único hospital-escola público do estado. Por isso, é fundamental fiscalizar o cumprimento das cláusulas contratuais acordadas entre a UFSC e a EBSERH; cobrar da EBSERH a reabertura dos leitos e demais estruturas desativados; estabelecer a representatividade do HU no CUn; garantir e ampliar o atendimento do SASC; assegurar o cumprimento do RJU dos TAEs do HU; retomar a coordenação da UFSC nas ações de capacitação, estrutura e suporte na elaboração e aplicação focadas no servidor; defender eleições diretas para escolha dos dirigentes; fortalecer a participação do HU nos projetos de pesquisa e extensão da UFSC, entre outros pontos elencados e transformados em propostas a partir de nossas visitas ao HU, conversas com TAEs, docentes e estudantes que nele estudam e trabalham.

MOTIVO 7: trabalhará para garantir a autonomia, democracia e transparência universitária.

As Universidades Federais são constitucionalmente estabelecidas por meio de dois princípios fundamentais: autonomia e gestão democrática. Todavia, estes princípios têm sido intensamente postos à prova nos tempos atuais. A UFSC Necessária precisa ser autônoma, democrática e transparente. Para isso, ações como implantar e acompanhar o orçamento participativo na UFSC; publicizar os critérios e formas de decisão de alocação dos recursos; desenvolver e definir a matriz de distribuição de pessoas a partir de critérios objetivos e impessoais; incentivar a ampliação da representatividade de TAEs e estudantes nos órgãos colegiados; promover consultas públicas, referendos, plebiscitos e outras formas de participação da comunidade universitária quando necessário; propor assembleias universitárias como instâncias consultivas e deliberativas; atuar em nível federal pela alteração da LDB na defesa da paridade entre as três categorias na composição de órgãos deliberativos centrais das IES; implantar o Sistema Eletrônico de Controle Social de Assiduidade aos TAEs, inclusive no HU; propor um processo de gestão democrática e pública na relação da UFSC com suas Fundações de apoio; fortalecer a Ouvidoria e muito mais são primordiais.

Por esses sete motivos e tantos outros, no dia 11 de abril, vote Irineu! Vote 80! Pela UFSC Necessária.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s